o humor e as notícias mais sacanas da web
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2012

Ave César
Ave Roma
Ave imenso puteiro
Ave Império Romano
Ave também o profano
Mártir e santo guerreiro.

Bastião surgiu na Gália
Pois bichas não nascem, surgem.
Era galo por linhagem
Mas como as galinhas fazem
Ciscou cedo na rabugem.

Talvez por haver crescido
Às saias da mãe carola
E à toga do pai pagão;
Explique Freud ou não
Bastião era boiola.

A mãe o queria santo.
O pai, que fosse soldado.
E Bastião, no sufoco,
Fez-se, santo do pau oco,
Padroeiro dos veados.

Mas isso depois de morto
Pelo amante Imperador...
Esta história obscena
Vou contar, cena por cena,
E nos is os pingos pôr.

De Narbonne para Roma
Viu-se Bastião levado
E entre viris machões
Armado até os colhões
O pai o pôr alistado.

Mas Bastião “batalhava”
Usando as armas que tinha.
E em toda luta travada
Sendo bainha de espada
Findou virando Bastinha.

As conquistas de Bastinha
Cresceram mais que as romanas
Fazendo-a dos legionários
Patrícios e mercenários
A drag queen soberana.

Mas foi Diocleciano
(Dió, em gótico nato)
Um bárbaro bem servido
Quem, de galã travestido,
Levou Tião ao estrelato.

Apossando-se de Roma
Tendo o Poder por lastro
Dió fez o que bem quis
E não tendo imperatriz
Botou Bastião de quatro.

Mas Dió, engalanado
(Talvez porque lhe convinha)
Não viu que vindo da Gália
Mesmo estando na Itália
Bastião era galinha.

E os boatos corriam
Fossem ou não verdadeiros:
Bastião, por sacanagem,
Por vício ou viadagem
Ciscava noutros terreiros.

Dió ficou arrasado
Com o saco arrastando ao chão.
Como, belo e bem dotado,
Estava sendo chifrado
Com todo e qualquer cristão!

Para lembrar ao amante
Quão era grande, Dió
Mandou uns crucificarem
E outros, nus, empalarem
Um madeiro ao fiofó.

Bastião ficou “nos cascos”
E fez a maior quizumba.
Mas não se deu por vencido:
Já que estava fodido
Foi dar pelas catacumbas.

Quantos mais Dió matava
Mais Sebastião fodia.
Dando de fazer “milagres”
“Curando” cobras e aves.
Era a santa do dia.

Pobre Diocleciano!
Poderoso, mas, frustrado,
Para vingar a falseta
De Bastião, por vendetta,
Mandou que fosse flechado.

Mas o glorioso mártir
São Sebastião das bichas
Visto que bicha não morre
Se encanta, e de pau não corre,
Não abandonou a rixa.

Logo que ficou curado
Foi procurar por Dió
E entre cobras e lagartos
Disse que ele, de fato,
Era chifrado sem dó.

Disse também ter a glória
De amando a Deus dar à luz
E que havia se entregado
A um sujeito ajumentado
Cujo  nome era Jesus.

Dió ficou arretado
Matando cobra a porrete
E pra que a bicha fogosa
Se sentisse “gloriosa”
Mandou matá-la a cacete.

Por ter feito tanta merda
Lançou-lhe o corpo à latrina
Sequer sabendo Dió
Que bicha não vira pó
Bicha vira purpurina.

Bastião foi sepultado
Na tumba dos indigentes
E cada bofe cristão
Urinou-se de emoção
Pois o que chora é o que sente.

Mas a morte do amante
Deixou Dió dementado
Mandando pregar à cruz
Cristãos expondo os cus
E os paus circuncidados.

Já Bastião, lá no alto
(Porque por Deus perdoado)
Dava para os cupidos
Que tinham dardo comprido
Ou arco curvo esticado.

Cá na Terra, vez em quando,
Vinha no vinho de Baco
Às orgias dos humanos
Pra ver Diocleciano
E dar-lhe com o pé no saco.

Rodou tanto a baiana
Que findou canonizado.
Fosse o caso de conduta
Se Madalena foi puta
Não fora ele veado?

Hoje é patrono das bibas
De Caraúbas ao Rio,
Que, devido as mise-em-scènes,
São Sodoma do erre-ene
E Gomorra do Brasil.

publicado por Assi Sales às 08:00

Como diz uma amiga minha: "MISERICÓRDIAAAAAAAAAAAAA" KKKKKKKKKKKK
(Tenho amigas até evangélicas...católicas praticantes, espíritas, enfim, sou meio tipo ONU, nesse campo da amizade, saca?kkk).
Genial seu cordel...affffff, sem palavras. Beijaço, baby. (amei isso...rsrs)

Foi a forma que escolhi para externar a minha aversão à carolice demagógica dos meus conterrâneos, mas confesso que fiquei frustrado de ninguém haver sequer ousado criticar à "obra". Sei que as minhas réplicas e tréplicas são destroçantes, mas careço que me ataquem para eu dar tais revides (Rsrsrs). Igualmente a você, também nada tenho contra os "praticantes" de "fé" alguma, a não ser piedade (sem complacência) pela estupidez que os move.
Você diz que gostou do 'beijaço, baby'. Não é sonoro, quase musical? Kkkkkk
Assi Sales a 21 de Janeiro de 2012 às 09:06


linkwithin
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...